Equipamentos de laboratório aplica líquido rosa em pequenos frascos ((Foto: Viktor Braga/UFC))
Pesquisadores da UFC testam antirrítmico no combate a espécies de Candida (Foto: Viktor Braga/UFC)
Saúde

Como driblar a resistência dos micro-organismos a remédios

Pesquisadores da UFC conseguiram desenvolver nova formulação para combater infecções por Candidas a partir de um remédio para problemas cardíacos

Remédios essenciais no combate a micro-organismos, antibacterianos e antifúgicos enfrentam um problema que desafia a medicina: o aumento da resistência dos micro-organismos provocado pelo uso indiscriminado de remédios. Um dos modos de contornar isso é por meio do redirecionamento de fármacos, um tipo de pesquisa que atribui novos usos a moléculas antes utilizadas para outros fins.

Esse é o foco do trabalho realizado no Laboratório de Bioprospecção de Moléculas Antimicrobianas (Labiman), do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da Universidade Federal do Ceará. A ideia é que substâncias hoje destinadas a outros tipos de tratamentos sejam testadas no combate a infecções causadas por fungos.

A pesquisa ajuda a resolver questões como a do fluconazol, o antifúgico mais comum hoje, que tem um custo relativamente barato. O trabalho desenvolvido no laboratório se tem concentrado em maneiras de aumentar sua vida útil, evitando que novos fármacos precisem ser desenvolvidos desde o início. Isso tem sido feito pela associação do fármaco a outras moléculas capazes de potencializar sua atuação.

Pesquisadora em bancada de laboratório (Foto: Viktor Braga/UFC)

Os pesquisadores elaboram novas drogas no Labiman a partir de fármacos já conhecidos (Foto: Viktor Braga/UFC)

Pesquisadora segura placa de vidro com substância após aquecimento (Foto: Viktor Braga/UFC)

Para vencer a resistência de fungos, os pesquisadores investigam o uso de flavonoides e até de antidepressivos (Foto: Viktor Braga/UFC)

VELHAS DROGAS, NOVOS USOS

Diversas substâncias têm sido testadas com esse objetivo. Uma das mais promissoras é a amiodarona, utilizada na cardiologia como antiarrítmico. Pesquisa do Labiman, publicada na conceituada revista Antimicrobial Agents and Chemotherapy, já demonstrou que a amiodarona possui um efeito sinérgico capaz de atuar em fungos já resistentes ao fluconazol. A pesquisa gerou resultados práticos: o desenvolvimento de uma formulação em gel, já patenteada, que deve ser agora testada pelo laboratório em modelos de candidíase, doença genital causada pela infecção por fungos.

Com a descoberta, os pesquisadores esperam aumentar o tempo de mercado do fluconazol, agora que sua ação pode ser potencializada e ter maior eficiência. “Se não preservarmos o fluconazol, o sistema de saúde e a população vão perder, pois as alternativas são mais caras e com mais efeitos colaterais, por conta da toxicidade”, avalia o Prof. Hélio Vitoriano, coordenador do Laboratório.

Prof. Hélio Vitoriano sentado no seu escritório (Foto: Viktor Braga/UFC))

Prof. Hélio Vitoriano: desafio de vencer a resistência dos fungos a medicamentos já conhecidos e baratos (Foto: Viktor Braga/UFC)

PROSPECÇÃO

A amiodarona não é a única substância a ser investigada. Três flavonoides – a catequina, quercetina e epigalocatequina – também demonstraram ter forte efeito sinérgico com o fluconazol, induzindo a apoptose (morte celular) em fungos que provocam a candidíase. A pesquisa também foi publicada na Antimicrobial Agents and Chemotherapy.

O Labiman estuda ainda moléculas que os pesquisadores esperam ter atividade antimicrobiana independentemente do fluconazol. No começo deste ano, o laboratório conseguiu comprovar o efeito antimicrobiano contra espécies de Candida já resistentes de três antidepressivos: sertralina, paroxetina e fluoxetina, sendo esta a de maior potencial farmacotécnico. A pesquisa foi publicada em outra revista de prestígio da área, a Microbial Pathogenesis.

Por meio de síntese química (processo de obter outros compostos a partir de determinada substância), os pesquisadores acabam avaliando os derivados dessas moléculas. É possível que os compostos gerados, além de ter todas as características positivas da substância da qual se originaram, sejam melhores do ponto de vista farmacológico, pela solubilidade, facilitando uma nova formulação.

Equipe do Labiman que participa das pesquisas (Foto: Viktor Braga/UFC)

A equipe do Labiman é a responsável pelas pesquisas (Foto: Viktor Braga/UFC)

VANTAGENS

Se todos os parâmetros estiverem em concordância para a fabricação de um novo medicamento, o trabalho do laboratório pode significar a solução de outro problema: o longo tempo que transcorre desde a prospecção de moléculas até a comercialização do remédio, que pode ser de 15 a 20 anos. Com o redirecionamento de fármacos, esse tempo de lançamento no mercado é encurtado, pois os parâmetros farmacocinéticos e toxicológicos da molécula já foram avaliados nas primeiras pesquisas sobre aquele medicamento.

LEIA AS PESQUISAS (EM INGLÊS)

Efeitos sinergéticos da amiodarona e do fluconazol

Catequina, quercetina e epigalocatequina e fluconazol

Atividade da serotonina com o fluconazol

Fonte: Prof. Hélio Vitoriano, do Labiman – e-mail: helioufc@yahoo.com.br